Seja muito bem-vindo ao nosso Sindicato   •     •   TaubatÉ / SP
 
     
 

SEU BANCO - HSBC

01/07/2015

Cade garante que vai atuar na venda dos ativos do HSBC no Brasil

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) vai atuar na venda dos ativos do HSBC no Brasil. A garantia foi dada pelo presidente do Cade, Vinícius Marques de Carvalho, durante reunião nesta terça-feira (30), com parlamentares e representantes da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do HSBC, em Brasíl­ia.

"Vamos analisar a fusão do HSBC. Iremos fazer com que o banco cumpra suas responsabilidades para sair do mercado brasileiro. O principal fiscalizador desse processo é o Banco Central, mas nós também vamos analisar a fundo todo o processo" afirmou Marques. De acordo com decisão do STF, cabe ao Banco Central atuar como ente regulatório setorial em casos de fusões de bancos e o Cade atua como autoridade antitruste.

Participaram da reunião a senadora Gleise Hoffmann (PT-PR), os deputados federais Enio Verri (PT-PR), João Arruda, (PMDB/PR) e Toninho (PT-PR), a vice-prefeita de Curitiba e secretária Municipal do Trabalho, Mirian Gonçalves, os diretores do Sindicato dos Bancários de Brasíl­ia e funcionários do HSBC, Paulo Frazão e Raimundo Dantas, o presidentes da Fetec-PR, Junior Cesar Dias, o presidente do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região, Elias Jordão, e a representante da Fetraf-RJ/ES na COE, Renata Soeiro.

A senadora se mostrou bastante preocupada com a venda do banco HSBC devido ao risco de grande número de demissões e de concentração financeira nas mãos de poucos bancos. "Em 18 anos, o HSBC teve um lucro de mais de R$ 15 bilhões. Agora, além de não explicar os problemas com os quais está envolvido, vai deixar um vazio na nossa economia. Há uma CPI do Senado para acompanhar o caso e, se for preciso, iremos a Londres falar com o presidente mundial do banco."

A vice-prefeita de Curitiba e Secretária Municipal do Trabalho, Mirian Gonçalves, falou sobre a preocupação com as famíl­ias daqueles trabalhadores que ficarão desempregados. Miriam ressaltou que o mercado de trabalho em Curitiba será impactado fortemente devido às demissões. "A cidade não tem como absorver a mão de obra de cerca de 8 mil trabalhadores, com uma média salarial de R$ 5 mil. O banco disse que pagou a conta financeira. Queremos saber quem pagará essa conta social", observou. O Banco possui atividades em 853 agências espalhadas por 531 municíp­ios do País totalizando cerca de 21 mil trabalhadores diretamente ligados ao Banco. Somente no Paraná, são cerca de 12 mil empregos entre diretos e indiretos.

Para Elias Jordão, a maior preocupação dessa venda é o impacto na vida dos trabalhadores. "Pedimos ao Cade para que dê uma olhada para a sociedade. Teremos um impacto muito grande, a derrota será catastrófica. Além do desemprego dos trabalhadores diretamente ligados ao Banco teremos impacto no comércio local e em outras áreas da sociedade como um todo."

Já o presidente da FETEC, Júnior César, acredita que a reunião foi produtiva e pode gerar frutos positivos. "Em comparação a penúltima reunião houve avanço na intenção do Cade. Sair daqui com a afirmação de que o Presidente se comprometeu a analisar o processo de venda é um avanço que temos que comemorar. Isso significa que os trabalhadores e a sociedade ganharam mais um aliado nessa luta", ressaltou.

"Desde os primeiros rumores da venda do HSBC, no início de maio, que nós, representantes dos funcionários do banco, iniciamos essa força-tarefa para preservar o emprego desses trabalhadores. Iremos a todas as instâncias que forem necessárias para que evitar as demissões", enfatizou Frazão, ao lembrar que nesta terça-feira (30) ocorre a Jornada das Américas em defesa do emprego no HSBC em todos os países da América Latina em que o banco atua.

Raimundo Dantas disse que o Sindicato dos Bancários de Brasíl­ia está acompanhando cada passo de toda a movimentação com relação à venda do banco. "Queremos garantir que os empregados tenham o menor impacto possível com essa venda."

Após a reunião, os representantes dos trabalhadores foram recebidos no gabinete da senadora Gleisi Hoffmam para reunião com o senador Paulo Rocha, presidente da CPI do HSBC. Além de dar um breve relato dos andamentos da CPI, o senador ressaltou que é o momento dos movimentos sindicais participarem na CPI e, assim, os trabalhadores possam ter voz diante do momento de ameaça de desemprego.

A luta continua

A senadora Gleisi Hoffmann será interlocutora da COE junto ao presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, em reunião que acontecerá nesta quarta-feira (1º), em Brasíl­ia.

Também está prevista uma audiência da COE com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para reivindicar que o assunto seja debatido na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), do Senado.


Fonte: Contraf-CUT, com sindicatos/ Crédito: Maríl­ia Milhomen

•  Veja outras informações
 
         
         
 
SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE TAUBATÉ E REGIÃO
E-mail: contato@bancariotaubate.com.br    •    Telefone: (12) 3633-5329  /  (12) 3633-5366    •    WhatsApp: (12) 99177-4205
Filiado à CUT, CONTRAF e FETEC