Seja muito bem-vindo ao nosso Sindicato   •     •   TaubatÉ / SP
 
     
 

SEU BANCO - HSBC

25/03/2015

Balanço do HSBC revela prejuízo de R$ 549,1 milhões no Brasil em 2014

O HSBC Brasil teve prejuízo lí­quido de R$ 549,1 milhões em 2014, segundo o balanço divulgado pelo banco inglês na última sexta-feira 20. Foi uma forte queda em relação ao resultado de 2013, quando teve lucro lí­quido de R$ 411,4 milhões.

Houve um crescimento de mais de 55% nas despesas de captação no mercado (em números absolutos, um montante de mais de R$ 3 bilhões), o que segundo a análise do balanço feita pelo Dieese pode ter influenciado no resultado negativo.

O resultado antes dos impostos e das participações foi de R$ 1,2 bilhão e o prejuízo lí­quido só não foi ainda pior devido a uma injeção de R$ 1 bilhão em impostos diferidos.

Participação nos resultados

Mesmo com esse resultado já projetado no primeiro semestre, os bancários foram à luta na Campanha Nacional 2014 e, com a força da greve, arrancaram uma participação nos resultados de R$ 3 mil para cada funcionário.

No entanto, existe mais de R$ 150 milhões de diferença entre o valor registrado no balanço - R$ 214 milhões - e o correspondente ao pagamento da conquista dos bancários, que totaliza apenas R$ 60 milhões.

"Esses números são inexplicáveis. Pra onde e pra quem foi todo esse montante?", questiona Miguel Pereira, secretário de Organização da Contraf-CUT e funcionário do HSBC. "Isso significaria mais R$ 25 mil para cada gerente, a título de PR, e sabemos que isso não ocorreu. Será que foi a diretoria do banco que ficou com a maior parte desse bolo, mesmo realizando todo esse prejuízo?", pergunta.

Para Miguel, "esse é um dos grandes problemas do programa de remuneração variável do banco: a pouquíssima transparência e falta de credibilidade".

Bancarização da Losango gerou empregos

O HSBC aumentou o quadro de funcionários em 578 postos de trabalho em relação a dezembro de 2013. Esse aumento deve-se à inclusão dos funcionários da empresa Losango, que se tornaram bancários.

As despesas de pessoal cresceram 21,3%. "A incorporação da Losango foi apenas um fator para o crescimento da folha de pagamento. O banco não explicou quais foram as movimentações internas que impactaram tanto a elevação dessas despesas", aponta Miguel.

O número total de empregados do banco no país em dezembro de 2014 foi de 20.165 trabalhadores.

Já o número de agências do HSBC no Brasil foi reduzido em 11 unidades no ano passado, totalizando 853 em dezembro.

Operações de crédito

As operações de crédito cresceram 5,7% no ano passado, atingindo um montante de R$ 66,1 bilhões. As operações com pessoas físicas aumentaram 3,0% em relação a dezembro de 2013, chegando a R$ 20,4 bilhões. E as operações com pessoas jurídicas, por sua vez, alcançaram R$ 45,7 bilhões, com elevação de 7,0% em comparação ao ano anterior.

O ín­dice de inadimplência superior a 90 dias apresentou redução de 0,3 pontos percentuais, ficando em 3,9% no ano. Com isso, o banco reduziu suas despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa (PDD) em 17,3%, atingindo um total de R$ 3,1 bilhões.

O lucro mundial do HSBC, divulgado no dia 23 de fevereiro, foi de US$ 13,69 bilhões em 2014, resultado 16% inferior ao do ano anterior.

> Clique aqui para saber mais sobre o lucro mundial.

> Veja aqui a sín­tese da análise do balanço feita pelo Dieese.

Estratégia questionável e mais escândalos

"Nesses quase 20 anos que o HSBC está no Brasil, o banco sempre apresentou muitas dificuldades em ajustar e definir sua política de mercado, com problemas de atuação no varejo pela concorrência com os bancos nacionais. Com mudanças constantes, os seus resultados nunca foram expressivos e sempre questionados pelo movimento sindical, ora por conta das regras contábeis utilizadas (ora brasileiras, ora inglesas), ora por conta dos altíssimos provisionamentos. Mas eram até então positivos", avalia Miguel.

Nos últimos três anos, coincidentemente com uma série de denúncias internacionais que o ligavam a operações irregulares em diversos países do mundo, principalmente nos EUA, Inglaterra, México e Argentina, com a imposição de multas bilionárias por esses países, o banco iniciou um processo de reestruturação mundial, com a demissão de milhares de trabalhadores e saída de diversos países onde atuava. "E a partir dessas iniciativas os resultados no Brasil só vêm piorando. Não sabemos oficialmente se parte desses prejuízos globais estão sendo repassados a todas as filiais mundiais e por isso os resultados vêm caindo no Brasil", acrescenta Miguel.

Para o dirigente sindical, é difícil entender porque no Brasil, "paraíso dos banqueiros e com a maior taxa de juros do planeta", um dos maiores bancos do mundo apresentou em 2014 prejuízos de quase R$ 1,5 bilhão e, caso não fosse a reversão dos créditos tributários IR, seria na ordem de R$ 1 bilhão.

Miguel teme que a situação do banco possa se agravar com seu envolvimento em mais um escândalo de grandes proporções, como as denúncias do Swissleaks, como ficou conhecido o caso de lavagem de dinheiro por sua filial na Suíça, com mais de 8 mil clientes brasileiros na lista. As denúncias estão sendo investigadas pela Polícia Federal, Justiça Federal e Ministério da Justiça e serão apuradas também por uma CPI já aberta no Senado.

"Isso só atinge negativamente a marca do HSBC. Juntando-se as dificuldades estruturais que o banco já apresentava no Brasil, como a falta de funcionários nas agências, assédio moral para cumprimento de metas abusivas, às dificuldades concorrenciais e de mercado, os trabalhadores agora ainda têm que enfrentar a desconfiança da maioria de clientes em operar com o banco no Brasil, dado o tamanho das denúncias", aponta o diretor da Contraf-CUT.

"Esperamos que as autoridades monetárias no Brasil, particularmente o BC, dessa vez ajudem nos processos de apuração das irregularidades, e que a mídia nacional, tão zelosa em manter a moral e os bons costumes, não boicote mais uma vez essas apurações por estarem envolvidos grandes nomes da política, do mundo empresarial e financeiro, donos de veículos de comunicação etc. Lavagem de dinheiro, evasão fiscal e caixa 2 são crimes igualmente para todos", enfatiza Miguel.

"Para o movimento sindical bancário, o desafio é defender e garantir o emprego dos mais de 21mil funcionários do HSBC e, ao mesmo tempo atuar e apoiar para que toda a verdade sobre as irregularidades sejam apuradas e os verdadeiros responsáveis sejam punidos e que de novo os funcionários brasileiros não paguem a conta ou sirvam de bode expiatório para atos reprováveis praticados pela alta cúpula do banco", conclui o dirigente da Contraf-CUT.


Fonte: Contraf-CUT com Dieese

•  Veja outras informações
 
         
         
 
SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE TAUBATÉ E REGIÃO
E-mail: contato@bancariotaubate.com.br    •    Telefone: (12) 3633-5329  /  (12) 3633-5366    •    WhatsApp: (12) 99177-4205
Filiado à CUT, CONTRAF e FETEC