Seja muito bem-vindo ao nosso Sindicato   •     •   TaubatÉ / SP
 
     
 

SEU BANCO - CAIXA FEDERAL

23/01/2015

Trabalhadores vão à s ruas: nenhum passo atrás

Um grande ato deve reunir trabalhadores de todo o Brasil no Dia Nacional de Luta em Defesa dos Empregos e Direitos, 28 de janeiro. O protesto, definido após o anúncio das Medidas Provisórias 664 e 665 " que compromete direitos como pensão por morte, auxí­lio-doença, seguro-desemprego, abono salarial ", ganhou nova motivação diante das mudanças na economia divulgadas na segunda 19 pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

 

Para o Sindicato e a Central ún­ica dos Trabalhadores (CUT), esse modelo econômico " focado na ampliação do superávit primário para pagamento de juros da dívida pública " significa um retrocesso e vai contra a pauta da classe trabalhadora. "Drena recursos da economia real para os rentistas, indo na contramão da manutenção do crescimento e da redução das desigualdades com distribuição de renda promovidos nos últimos 12 anos", critica a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira.

> Nota sobre as medidas econômicas

As medidas de Levy elevam a tributação sobre operações de crédito (IOF), cosméticos, combustà­veis e produtos importados. "Ainda que essa tributação sobre importações faça sentido num contexto de política industrial clara e fortalecimento da indústria nacional, não cumpre tal papel da forma desarticulada como foi apresentada. Ao contrário, tende a retrair a demanda e dificultar o acesso ao crédito, agravando o cenário de atividade econômica pelo qual estamos passando", afirma Juvandia.

> Governo anuncia aumento de impostos

Na última divulgação do PIB, o consumo das famíl­ias já mostrou forte desaceleração, crescendo apenas 0,1%. E sem perspectiva de consumo, o investimento privado, que já apresentou queda de 8,5% no 3º trimestre de 2014, fica comprometido. A elevação da Selic em 0,5 ponto percentual nessa quarta 21, passando a 12,25% ao ano, deve piorar esse quadro.

> Alta de Selic é mais um elementoa frear economia

"Para gerar recursos, precisamos debater uma reforma que trate da maior tributação sobre a renda, o patrimônio, as grandes fortunas, e menor sobre o consumo, como já acontece em outros grandes países", propõe a dirigente. "A seguir pelo caminho sugerido por essas medidas, vamos desperdiçar todos os avanços alcançados nos últimos anos e que resultaram num projeto que valorizou o mercado interno, a criação de empregos, os salários."

Em entrevista à Rádio Brasil Atual, o professor Pedro Rossi, do Instituto de Economia da Unicamp, observa que o governo deu uma "guinada de 180 graus" na política econômica. "Talvez ele acredite que o ajuste fiscal vá recuperar credibilidade e que os agentes vão passar a investir depois disso. No meu entender, é outro equà­voco. O empresário não investe porque o governo fez ajuste fiscal, investe porque acha que vai ter demanda."

Pauta " A semana trouxe, ainda, o veto da Presidência da República ao reajuste de 6,5% da tabela do imposto de renda. "O descongelamento da tabela, que durou de 1996 a 2002, foi conquista da classe trabalhadora com o objetivo de evitar a corrosão de parte dos aumentos reais de salários pelo Leão", lembra Juvandia. "Reconhecemos que o compromisso assumido pela presidenta no ano passado foi com o reajuste de 4,5% e ressaltamos a importância disso em comparação aos anos em que a tabela permaneceu congelada. No entanto, o reajuste maior seria fundamental para manter as conquistas das campanhas salariais. Por isso vamos às ruas, lutar pelo projeto que sempre defendemos, seja neste ou em qualquer outro governo: aquele que garante crescimento com justiça social."

O presidente da CUT, Vagner Freitas, reforça: "Nosso mote neste ano será "pelos direitos e contra a direita". Nenhum direito pode ser retirado, pela manutenção do emprego, para que continuemos a ter aumento real de salário. Não podemos ter retrocesso político ou econômico."

> Papel da CUT é combater retrocesso, diz Vagner
Reunião sem avanços entre governo e centrais

Outra bandeira do Dia Nacional de Luta é a defesa da Caixa 100% pública

> Caixa Federal tem de ser 100% pública

Mobilização - No Dia Nacional de Luta em Defesa dos Empregos e Direitos, os bancários vão protestar fazendo assembleias nas agências da Avenida Paulista e com ato em frente àsede do Banco Central e ao prédio da Caixa, em defesa do banco 100% público. Participe!

 

Fonte: Seeb SP

•  Veja outras informações
 
         
         
 
SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE TAUBATÉ E REGIÃO
E-mail: contato@bancariotaubate.com.br    •    Telefone: (12) 3633-5329  /  (12) 3633-5366    •    WhatsApp: (12) 99177-4205
Filiado à CUT, CONTRAF e FETEC