Seja muito bem-vindo ao nosso Sindicato   •     •   TaubatÉ / SP
 
     
 

SEU BANCO - BANCO DO BRASIL

02/12/2010

Lutas e Conquistas dos Bancários - A Data-base e a Convenção Coletiva de Trabalho

Conheça os seus direitos

 

A DATA-BASE E A CONVENÉÃO COLETIVA DE TRABALHO

Embora muitos se refiram aos direitos dos bancários como benefícios, tratam-se na verdade de conquistas que, ano a ano, se renovam em Convenção Coletiva de Trabalho ou em acordos por bancos e aditivos.

São inúmeras conquistas  que, ao longo dos anos, foram se aprimorando como resultado de ações coletivas da categoria bancária e de sua organização sindical, cuja alavancagem ocorreu em 1982, com a unificação da data-base em 1º de setembro.  Até então, não havia um perí­odo único de negociação para renovação dos acordos salariais dos bancários do país.

Embora a primeira menção para se fixar uma única data de negociação tenha surgido por ocasião de uma greve de bancários do Banco do Brasil, em São Paulo e Rio de Janeiro, em 1961, a reivindicação só foi consolidada em 1982, como resultado das ações dos sete maiores sindicatos do Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador, Brasíl­ia, Natal e Fortaleza), com vistas a formular um plano unitário de mobilização para a campanha salarial como forma de se contrapor à já consagrada unidade dos banqueiros.

A partir do momento que todos os bancários do país passam a negociar a renovação dos seus acordos em setembro, é dado, então o primeiro passo rumo à negociação nacional, já que a prática naquela época era de negociações regionais para a formalização de acordos também regionais.

Em 1983, os bancários elegem a primeira Comissão de Negociação Nacional, ao mesmo tempo em que definem reivindicações em nà­vel nacional para os bancos privados. A estratégia é aperfeiçoada em 1984, mas é com a greve de 1985 que passa a funcionar efetivamente. Nesse mesmo perí­odo, os bancários contribuem para a construção da CUT, em 1983.

Em 1991, os bancários dão outro importante passo para o fortalecimento da categoria, com a unificação nacional dos pisos. A conquista veio após a greve de três dias durante a campanha salarial, juntamente com a reposição das perdas salariais do ano, produtividade e formação da primeira comissão de segurança bancária.

A luta pela unificação da categoria tem como marco o ano de 1992, com a assinatura de um acordo único válido para todos os bancários de bancos privados do país e alguns bancos públicos, a exemplo do Banespa e da Nossa Caixa.

Fruto de um amplo trabalho em âmbito nacional, com realização de consultas aos trabalhadores sobre as preocupações que deveriam integrar a pauta de reivindicações, a Convenção Coletiva de Trabalho " CCT se consolidou coma assinatura de 120 sindicatos, sete federações e uma confederação representando 85% da categoria.

Em 2002, a categoria bancária resolveu dar um passo à frente e envolver os bancários dos bancos públicos na organização de uma campanha salarial unificada. A estratégia avançou até que, em 2006, após a greve desigual no país, Banco do Brasil e Caixa aceitaram ser signatários da CCT, estendendo assim a abrangência do instrumento para mais de 400 mil bancários do país.


 CONVENÉÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2010/2011

CLàUSULA QUINQUAGÉSIMA OITAVA " ABRANGÉNCIA TERRITORIAL " A presente Convenção Coletiva de Trabalho aplica-se às partes convenentes no âmbito territorial de suas representações.

CLàUSULA QUINQUAGÉSIMA NONA " VIGÉNCIA " A presente Convenção Coletiva de Trabalho terá duração de 1(um) ano, de 1º de setembro de 2010 a 31/08/2010 de 2011.

 

Assessoria de Comunicação - 02/12/2010

Fonte: FETEC-CUT/SP.- CONTRAF

•  Veja outras informações
 
         
         
 
SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE TAUBATÉ E REGIÃO
E-mail: contato@bancariotaubate.com.br    •    Telefone: (12) 3633-5329  /  (12) 3633-5366    •    WhatsApp: (12) 99177-4205
Filiado à CUT, CONTRAF e FETEC